Btn-close-sidemenu

artistas

Conheça nossos artistas, suas obras e biografia

Encontre um artista pelo nome

Ivan Serpa (1923 - 1973)

Ivan Serpa
Adicionar aos favoritos
Seja notificado por email quando tivermos novas obras deste artista.

Biografia do Artista

Pintor e desenhista brasileiro. Como aluno de Axl von Leskoschek, expôs trabalhos figurativos. Em 1947, aderiu ao não-figurativismo adotado por Mário Pedrosa. Foi membro do Grupo Frente, professor de arte noMuseu de Arte Moderna (MAM) e restaurador de papéis da Biblioteca Nacional. Na primeira Bienal de São Paulo, foi celebrado como o melhor artista jovem, com uma pintura já concreta. Até a década de 1960, esteve ligado ao movimento concretista, sendo considerado o pioneiro no Brasil. Depois, retornou ao expressionismo e ao não-figurativismo geométrico. O ano de 1963 foi considerado sua fase negra, de denso teor expressionista. No ano seguinte, retomou a faseerótica, que já desenvolvia em seus desenhos a bico de pena. Mais tarde, com as obras de pesquisa óptico-espacial, à base de madeira, espelho e barbantes, voltou à disciplina construtiva anterior, atingindo o neoconcretismo e a nova objetividade em 1967. Entre suas telas, destacam-se Formas, premiada na I Bienal de São Paulo, Composição e Corpo nu. Na década de 1940, estudou com o gravador Axl Leskoschek. Começou a participar de exposições realizadas na Divisão Moderna do Salão Nacional e da 1ª Bienal de São Paulo, onde ganhou seu primeiro prêmio. Realizou sua primeira individual no Instituto Cultural Brasil-Estados Unidos e expôs na XXVI Bienal de Veneza. Entre 1947-51 participa da Divisão Moderna no LII, LIII, LIV, LV e LVI Salões Nacionais de Belas-Artes. No ano de 1953, juntamente com Lygia Clark, Lygia Pape, Weissmann, Palatinik, Oiticica e Aluísio Carvão, articulou a criação de um núcleo de arte chamado Grupo Frente. Participou da I Exposição Nacional de Arte Concreta em São Paulo e no Rio e na exposição Concretos Brasileiros em Zurique, na Suíça, no qual foi premiado. Fundou, com Bruno Tausz, o Centro de Pesquisa de Arte no Rio de Janeiro. Recebeu o Prêmio Viagem ao Estrangeiro no VI Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro, passando dois anos na Europa, principalmente na Itália e Espanha. Mais conhecido como um dos primeiros abstrato-geométricos do Brasil, teve, em 1996, suas obras apresentadas na exposição Tendências Construtivas no Acervo do MAC – USP.

obras